Hoje o João passou o dia quase inteiro no meu colo. Nas poucas vezes que fiquei com os braços livres eu estava fazendo coisas pra ele mesmo: fui ao supermercado comprar comida pra papinha, fiz a papinha, ou estava ocupada interagindo com outras pessoas.
Isso me causou uma irritação tremenda porque eu estava doida pra escrever. Me veio essa vontade maluca de escrever crônicas a partir de pequenos acontecimentos do meu dia e eu não consegui escrever nada ainda. Aliás, venho há meses não conseguindo escrever e perdendo momentos que poderiam render belos posts e memórias.
Mas hoje me veio um bode. Um meio que saco cheio de estar sempre deixando alguma coisa que eu quero muito fazer pra poder cuidar de neném. Quase uma vontade de deixar chorando e ignorar.
E a realidade mais uma vez bateu na porta: não importa o quanto meu saco esteja cheio, o João é um “problema” meu. No máximo meu e do pai, ou de quem estiver por perto ajudando nos cuidados. Eu até tento tramar umas pra ver se eu consigo uns tempinhos só pra mim mas acabo não sendo muito bem sucedida, ou sendo interrompida enquanto estou no sossego.
E eu sinto que já tá na hora de eu me resgatar, pra evitar que esses bodes sejam mais frequentes. É um processo, e certamente vai envolver algum stress, mas sinto que é algo que preciso fazer por mim.

Um dia inteiro no colo. É legal, mas às vezes enche o saco.
Um dia inteiro no colo. É legal, mas às vezes enche o saco.

(P.S.: esse texto foi escrito depois que ele dormiu, e de eu mascar um boldo por estar indo mais um dia dormir sem escrever. Resolvi driblar a frustração e rascunhar o post no evernote, pelo celular mesmo. Consegui terminar, entre interrupções chorosas do bebê acordando)