2018 tá chegando, e vai ter #52semanasdeplanner sim senhor! Eu fiz um primeiro post, mas depois repensei a coisa toda, e resolvi que isso será algo que quero fazer no ano que vem, com muito carinho e planejamento. Mas enquanto o ano que vem não chega, vamos de prévias?

Comecei um outro post, falando das minhas escolhas de planners para o ano que vem, mas acabei percebendo que não estava começando do começo! A julgar pelas pessoas que sempre me perguntam sobre esse universo de planners, acredito que nem todo mundo saiba o que é o que. Então parei, pensei e resolvi fazer esse post, com tudo que você precisa saber antes de escolher seu planner. Ou quase tudo.

Planner ou agenda?

Agenda pra mim é para compromissos. Existem tarefas que tem hora pra ser executadas, e existem as que entram num checklist, e que mesmo que tenham prazo, podem ser feitas em qualquer momento do dia. A minha dificuldade com agenda sempre foi isso de colocar ali uma tarefa que não necessariamente tinha que ser feita naquela hora.

O planner, mais que uma agenda, eu vejo como uma ferramenta pra te ajudar nas suas conquistas e nos seus projetos. E todos com aquela possibilidade de pirar na criatividade, que é muito legal, e torna o planejamento muito agradável.

Uns focam mais na coisa da decoração e do visual, outros focam mais nesse ferramental, de te ajudar nos seus objetivos, mas todos com certeza muito diferentes de uma agenda, com espaços para metas, tarefas, trackers e outras observações, em vez de horário.

Quais são os tipos de planners que existem?

Argolados

Como se fossem fichários. O que eu acho interessante nesses planners é a possibilidade de tirar as folhas, e de usar a mesma capa (ou binder) por mais tempo, e ir trocando o miolo. Tem em diversos tamanhos, sendo bem comum o tamanho personal. Muita gente usa como carteira, já que alguns modelos tem bolsos internos.

Talvez a marca mais famosa seja a Filofax, importada (e caaaara!), mas existem opções nacionais, como os da Ótima Gráfica. O padrão de furos varia de marca pra marca, mas o mais comum é o de 6 furos. Tem furadores específicos, como o da Recollections, mas eu particularmente uso furador comum, de uma bolinha só, e repito 6x, risos. É sem dúvida uma ótima opção de planner pra levar na bolsa.

ARC

À primeira vista, parece um caderno espiral, mas na verdade as folhas estão seguras por discos, e são removíveis, como em um fichário. O planner mais famoso com esse sistema é o Happy Planner, que sem dúvida é um dos planners mais lindos que existe. Mas tem outras opções, inclusive uma nacional, o Caderno Inteligente.

Recentemente eu comprei um mini Happy Planner (o clássico é bem grandão) para ser o meu de bolsa, mas não gostei. No sacolejo, e se muito manuseado, as folhas amassam e o sistema de discos se torna frágil. Existe um furador, mas é caro.

Brochura

A encadernação clássica, com a lombada e capa coladas, como os Moleskine. Talvez seja o mais democrático, tem de tudo que é tamanho, estilo e preço. Mas não permite muitas customizações, falando de troca de miolo.

O Passion Planner, que é o meu favorito da vida (já falei dele aqui), é brochura, eu uso um tamanho A4, mas pro ano que vem vou usar A5 pois quero tentar um lance diferente (depois conto!). Até que dá pra brincar um pouco com ele, porque no site dá pra baixar alguns inserts grátis. Mas tem que recortar e colar.

Outras opções de brochura: West Village da Tilibra (R$ 20) e os da Imaginarium.

Estilo Midori

Uma capa com elásticos, em que podem ser inseridos em média de 4 a 6 cadernos. Pra quem gosta de troca-troca é o melhor, não rola fidelidade ali não, hahahah. Midori é a marca japonesa original, mas tem vááááááárias outras marcas, que a galera chama de fauxdori.

Vejo muita gente chamar também de TN (Traveller Notebook), e os tamanhos variam: A5, Passport, Personal… As capas também podem ser de vários materiais, de couro legítimo a tecido. É uma ótima opção de planner pra levar na bolsa.
A marca nacional mais conhecida talvez seja a A.craft, mas minhas amigas Marcella do Planning Ideas, e a Lidi fazem uns lindos! Eu uso uma capa de unicórnioi que a Lidi fez pra mim, e gosto de trocar os caderninhos, acaba saindo mais barato e satisfaz meu desejo consumista, já que os caderninhos acabam mais rapidamente.

unicornio

Bullet journal

Bujo, para os íntimos, é mais um sistema que uma ferramenta, afinal dá pra fazer em vários tipos diferentes de cadernos, até num pautado comunzão, se você quiser. Tem toda a teoria do sistema nesse site aqui, do Ryder Carrol, que foi quem criou o bagulho.

Mas fazer bullet journal hoje em dia virou uma coisa muito mais livre, e tem gente que só usa esse sistema (gosto muito desse instagram e desse canal no YouTube). Eu faço para planejamento e acompanhamento do mês, e gosto bastante.

Um contra pra mim é que nem sempre tenho tempo ou talento pra fazer setups lindos no bujo, e isso me tira um pouco o tesão, hahaha. Mas se você não se importa de fazer tudo sem firula, vai fundo. A Cícero, que é uma marca nacional, tem cadernos lindos, perfeitos pra esse fim. Eles tem também uns kits que vem com 4 cadernos: pautado, pontilhado, em branco e quadriculado. Vale muito a pena.

Espiral

Planner em espiral pra mim é igual sair praquele restaurante caro e descolado pra comer coisa que você come em casa sempre. QUAL A GRAÇA? Fora que eu O-DEI-O escrever em espiral. Quando a mão vai sentando na espiral me dá uma agonia sem fim.

Mas claro, e novamente, tem pra todos os gostos e bolsos. A Tilibra lançou o planner da Capricho que é bem fofolete, e tá na casa dos R$ 20 também. De gringos tem o Erin Condren, bem famoso (o miolo me parece uma mistura de Passion Planner com Happy Planner, interessante), mas nenhum ganha das capas maravilindas dos Recollections. Acho que funciona melhor como planner de mesa.

Qual o melhor tipo de planner pra mim?

Bom, pra mim eu já sei, e vou falar disso no próximo post. Agora pra você, é preciso avaliar. Esse post trouxe as informações básicas, agora é com você. Primeiro, veja quanto pode gastar. Já vi planner de R$ 500, mas não vou entrar no mérito. Se você tem e acha ok pagar, vai fundo.

A maioria dos bons planners está na faixa dos R$ 100 a R$ 150, mas dá pra gastar menos, com certeza. Analise se vai querer concentrar todas as áreas da sua vida num só (eu não consigo), ou se vai preferir mais de um planner.

Pense se o planner também vai ser uma ferramenta pra você liberar a criatividade, e se dá pra misturar decoração (assina os kits do Clubinho do Papel pra ter seu planner sempre lindo!) com funcionalidade (acho que alguns tem pouco espaço pra isso). E claro, pense na mobilidade. Eu adoro meu Passion Planner A4, mas é uma porcaria se ele tiver que sair de casa comigo.

No próximo post dessa série de prévias das #52semanasdeplanner, eu vou falar das minhas escolhas para 2018, e o porquê de cada uma. Se você tiver ficado com alguma dúvida, comenta aqui no post que se eu souber, respondo. No mais, ajuda ozamigo que tão procurando o planner de 2018 e compartilha esse post! Até a próxima!