Apesar da vontade que eu tava de voltar pra casa, confesso que fiquei um tanto contrariada quando tive que ir ao supermercado, ao chegarmos em Brasília. Fiquei abismada com o quanto algumas coisas encareceram, e com o quanto se leva cada vez menos por mais pra casa.

Isso me deixou um bocado triste. Gosto de comer bem, e gosto de inventar na cozinha. Faço muita comidinha simples, mas sempre gosto de inventar moda com um prato ou um tempero. Mas tenho simplificado muito, porque nosso bolso não consegue acompanhar a forma como as coisas estão subindo. Essa limitação é incômoda, mas traz também muitos aprendizados.

Janeiro ficou definido pra mim como o grande pontapé pra eu aprender de vez a lidar melhor com o meu dinheiro, como já falei aqui. Tenho tentado viver nessa energia de aprendizado, o que requer um tanto bom de paciência. É muito difícil aprender a poupar quando o seu mindset está configurado para gastar sem maiores questionamentos.

Sempre fui aquela pessoa meio sonsa para o preço das coisas, e nunca tive uma real noção do valor do dinheiro. Eu acho tudo barato, e sempre vi o dinheiro como algo que está ali pra me servir. Nunca fui a dona de casa que compara preços nas gôndolas do supermercado. Percebi que isso está mudando meio que na marra, e tirando as frustrações que aparecem pelo caminho, estou achando muito positivo para o meu crescimento.

Já mudei uma série de convicções pessoais. Passei por exemplo, a me preocupar com aposentadoria, mesmo sendo uma pessoa que não quer deixar de trabalhar tão cedo (nunca, eu diria, mas não posso prever isso), e estabeleci algumas metas quanto a isso. E por aí vai.

Estou muito mais atenta ao valor das coisas, e entendendo que qualquer quantidade de reais é dinheiro, e deve ser valorizado. Ainda preciso controlar melhor a minha compulsão, muitas vezes eu simplesmente esqueço que qualquer gasto impacta no meu conjunto de sonhos, e vou lá e compro. Acontece, mas melhorou já.

Por ora, estou focada em aprender a usar melhor o cartão de crédito. Fiz um esquema que vi não sei naonde, de ter como limite de valor da fatura um valor sempre 10% menor do que o do último mês. Esse mês vai ser meio complexo, pois tivemos muitos gastos desde que chegamos de viagem, e eu escorreguei um pouco na compulsão também. Paciência, o que vale é continuar tentando.

Pra essa semana tenho uma meta de não gastar nada, e de ler bastante sobre finanças. Acho que me envolvendo loucamente com o assunto eu talvez fique mais motivada. Ontem mesmo deixei de fazer uma compra que não precisava fazer agora, e senti um baita orgulho de mim mesma.

O próximo passo é aprender a poupar, mas não vou passar os carros na frente dos bois. Pelos próximos 3 meses, se eu aprender a não gastar tanto, já vai ser uma vitória. Toda essa coisa do dinheiro está vindo pra me ensinar a virtuosa lição da paciência.

Sou muito impulsiva e preciso controlar isso. Como eu disse algumas vezes, principalmente no que tange ao dinheiro, o que estou fazendo é por mim, mas é também pela minha família. Não sou mais sozinha na vida, e preciso pensar num futuro sem maiores dificuldades financeiras pra minha família. Sabemos que o dinheiro abre muitas portas, e mesmo acreditando no valor do esforço pessoal, não quero que eles deixem de ter boas oportunidades por escolhas erradas que eu tenha feito na vida.

Que siga a missão!